Degustação: 5 elementos simples, porém essenciais para melhor aproveitar um vinho.

Quase tudo já foi dito sobre como guardar ou servir o vinho... mas, será que você escutou bem? Si você perdeu dicas, aqui estão algumas para ajudar em uma boa degustação. Saúde! :)

 

verres_vins_degustation.jpg

 

1 - O ambiente conta

Um lugar bem iluminado, sem odores parasitas são condições adequadas para degustar um bom vinho. Se o sabor é considerado muito importante, não se pode deixar de lado e considerar banais o olfato e a visão, pois esses sentidos permitem justamente que o vinho seja apreciado levando em consideração toda a sua complexidade: a cor, o buquê etc.

Garrafas.jpg

Ao ar livre também é agradável, se o tempo permitir.

 

2 - Taça limpa, taça bem vinda!

É importante lavar corretamente as taças antes da degustação para assim evitar possíveis pertubações, principalmente as visuais. Se for possível, é interessante escolher a forma da taça apropriada para desgustar o vinho: de preferência em forma de tulipa, pois este tipo conserva melhor os aromas.

gros plan verres vins sud ouest france vinhos taças sudoeste frança

Essas taças, por exemplo, são perfeitas à mesa, mas muito abertas para uma degustação.

 

3 - Seu paladar merece um tratamento real.

De nada adianta apreciar um vinho se você acabou de comer uma goma de mascar ou um bombom. Para experimentar um vinho, o nosso paladar tem que estar disponível, não ter sido solicitado recentemente. Ainda que o mais aconselhável seja de não comer nada antes da degustação, é compreensível o fato de querermos acompanhar um vinho a um prato: em todos os casos, o ideal é de tomar um pouco de água entre cada vinho degustado para que o paladar não fique comprometido. Simples e evidente, mas no entanto, é preciso lembrar!

IMG_20141031_211611__1_.jpg

Em salões de vinhos, o controle da luz e do ar contribui à qualidade do evento. Foto: Salão dos vinhos e dos Terroirs de Toulouse , em 2014.

 

4 - E preciso beber para crer!

Observar a aparência do vinho não é algo sem importância! Por quê? Porque os detalhes e a intensidade da cor dão indicações preciosas: a cepagem, a idade do vinho, a qualidade etc, sobretudo quando se trata dos tintos. Um brilho perfeito, caracteriza, por exemplo, um grande vinho tinto. A "viscosidade", que é uma particularidade do líquido em formar "lágrimas" no momento em que se gira a taça, dá uma idéia do grau alcoólico do vinho. Quanto mais intensas, "viscosas" elas são, mais o grau de açúcar e/ou alcool será elevado.

imagen_mesa_atelie_2014.jpg

Ateliê de degustação de vinhos do sudoeste da França na Alliance Française de Natal, em março de 2014.

 

5 - Então, vamos beber esse vinho?

Claro! Mas não apenas beber: agora é a vez do nariz e da boca entrarem em cena. Depois de ter girado o vinho na taça e observado a cor (Cf. citação anterior), os aromas liberados já deixam o olfato se deliciar. Depois disso, chega a hora de levar o vinho à boca: e então, acontecem o retro-olfato e a avaliação do vinho em todos os seus aspectos. Apenas resta... o prazer da degustação.

http://www.webciencia.com/11_32olfato.jpg

 

Os dois últimos parágrafos poderiam ser mais ricamente desenvolvidos, no entanto, já com essas pequenas regras de base para se guardar na memória, é possível garantir um belo momento prazeroso, sem se esquecer, é claro, de servir o vinho na temperatura adequada, de abrí-lo um pouco antes de bebê-lo e de o ventilar ("decanter") se for preciso... Definitivamente, ainda não terminamos de falar tudo sobre o mundo dos vinhos!

 

IMG_20150130_184952.jpg

Seleção de vinhos para o ateliê de 2015 em Natal.

 

Ajouter un commentaire

Le code HTML est affiché comme du texte et les adresses web sont automatiquement transformées.

La discussion continue ailleurs

URL de rétrolien : http://www.envoie.eu/fractale/blog/index.php?trackback/253

Fil des commentaires de ce billet